Broken Flowers (2005)

Bill Murray é Don Johnston (não, o “t” não é gralha), um convicto solteirão de meia-idade e eterno Dom Juan que acaba de ser deixado pela última e jovem namorada, Sherry (Julie Delpy). Ao mesmo tempo, recebe uma misteriosa carta cor-de-rosa, anónima e dactilografada, de uma suposta ex-namorada de há 20 anos atrás que o informa não só que teve um filho dele, mas também que este partiu numa viagem que ela acredita ter como objectivo encontrar o pai. Inicialmente pouco inclinado para fazer algo em relação ao assunto e disposto a amargurar no sofá da sala até ao próximo engate, Don vê-se empurrado por Winston (Jeffrey Wright), o obstinado vizinho do lado e detective amador nas horas vagas, para uma digressão pelo país fora que o leva a visitar as cinco mulheres com quem partilhou o leito naquele ano. O seu objectivo: procurar pistas que levem à solução do mistério, em particular objectos cor-de-rosa e uma velha máquina de escrever. No entanto, Don descobrirá que mexer com o passado tem as suas consequências…

Bill Murray é um caso curioso. Fez nome e fortuna na década de 80 e início da de 90 em obras populares como Caddyshack (1980), Stripes (1981), Ghostbusters e respectiva sequela (1984/89) ou o excelente Groundhog Day (1993), onde sobressaía pelos seus dotes de comediante. Esse status quo alterar-se-ia em meados da década de 90, quando passou a ser visto como um intérprete tragicómico de excelência ao trabalhar com nomes como Tim Burton (foi o inesquecível Criswell de Ed Wood (1994)), Wes Anderson (Rushmore (1998), The Royal Tenebaums (2001), Life Aquatic with Steve Zissou (2004),…), Sofia Coppola (Lost in Translation (2003), que lhe valeu a nomeação para o Oscar de Melhor Actor) e Jim Jarmusch (Coffee & Cigarrettes (2003)). É precisamente com Jarmusch, um dos mais significativos autores do cinema alternativo norte-americano hoje em dia, que Murray volta a trabalhar neste Broken Flowers, onde além do vizinho Jeffrey Wright contracena com um elenco feminino de luxo que inclui a já citada Julie Delpy, e também Sharon Stone, Frances Conroy, Jessica Lange, Tilda Swinton e (a personal favorite) Chloe Sevigny.

Broken Flowers não é, à semelhança de outras comédias dramáticas do mesmo naipe, um filme fácil. Quem se embrenhar nele fiando-se na premissa básica de descobrir quem é a autora da carta acabará certamente a experiência com cara de poucos amigos. Mais do que isso, o filme reflecte sobre as vicissitudes de revisitar os momentos e as pessoas do nosso passado e no modo como eles influenciaram aquilo em que nos tornámos hoje, e também no quanto as pessoas podem mudar ao longo dos anos. E isso, devido à complexidade da natureza humana, nem sempre é preto ou branco, como atestam as variadas recepções das ex-namoradas de Don quando este lhes bate à porta, que vão desde um acolhimento caloroso a uma hostilidade selvagem, passando por uma frieza glacial ou um constrangimento indisfarçável.

Esta obra de Jarmusch é também, sobretudo, um filme de actores, e no que ao trabalho destes diz respeito está muito bem servido. Murray é perfeito no papel do indivíduo seco e melancólico que só quer que o deixem em paz, enquanto o elenco feminino, cada actriz à sua maneira, cumpre na perfeição aquilo que lhe é pedido – embora seja justo destacar a bizarra interpretação de Jessica Lange enquanto uma ex-advogada convertida em “comunicadora animal”. Jeffrey Wright é ainda inesquecível como o persistente vizinho “étnico” de Don, apaixonado por tudo o que tenha a ver com investigação criminal e apreciador de um bom charro às escondidas da mulher.

Broken Flowers é assim um filme que merece ser visto por quem goste de bom cinema e aprecie de vez em quanto uma fuga a géneros mais convencionais e preguiçosos, e tem lugar em qualquer DVDteca que o esteja disposto a receber, sobretudo se forem apreciadores do trabalho de Jarmusch e/ou Murray.  

Esta entrada foi publicada em Críticas, Filmes dos anos 2000 com as etiquetas , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s